Diagnóstico por Imagem

Uretrocistografia Miccional, Conheça as Aplicações do Exame

Saiba Tudo sobre a Uretrocistografia Miccional

Olá a todos que acessam o Radiologia Blog em busca de conhecimento e atualização. Hoje vou abordar mais um exame contrastado, a Uretrocistografia Miccional.

O objetivo deste exame é avaliar a parte fisiológica da bexiga e uretra. As fisiologias destes órgãos estão relacionadas á micção da urina do meio interno para o meio externo do corpo. Desta forma, fica claro que as radiografias deverão ser realizadas enquanto o paciente “urina” o meio de contraste que estará em sua bexiga.

Canal Uretra Sexo Feminino
Canal Uretra Sexo Feminino

É muito comum o exame ser solicitado para o diagnóstico de infecção urinária e para visualizar suspeita de refluxo ureteral. Por esses motivos, a maioria dos pacientes são crianças. O exame de Uretrocistrografia Miccional é realizado com maior frequência em pacientes do sexo feminino, já que, para os homens, é comum ser solicitado a Uretrocistografia Retrógada, como vimos na publicação anterior. Mas pacientes de ambos os sexos e de diversas idades são submetidos também ao método miccional. O exame também é solicitado para visualização de estenose no canal da uretra, incontinência urinária, dentre outros motivos.

 

Material

Luvas, Sonda vesical; Gaze; Tópico; Pomada anestésica; Contraste iodado, Equipo, Soro fisiológico (250 ml para crianças e 500 ml para adultos) e toalhas. A concentração entre o contraste e o soro fisiológico é a seguinte: 25 ml de contraste para o frasco de 250 ml de soro fisiológico e 50 ml de contraste para um frasco de 500 ml de soro fisiológico.

Procedimento da Uretrocistografia Miccional

Paciente em decúbito dorsal, realizamos uma radiografia “piloto” da região pélvica (localizada) em filme 18×24 sentido transversal para visualização de técnica e posicionamento.

Em seguida, inicia-se o procedimento de assepsia. Após, introduzimos a sonda vesical (ou de foley), pela uretra (o tamanho da sonda utilizada deve seguir o critério da idade e tamanho do paciente). Com a sonda na bexiga adaptamos o equipo e deixamos que o contraste diluído ao soro fisiológico preencha a bexiga.

Em determinado momento (quando a bexiga estiver cheia), realizamos uma radiografia localizada* (para comprovar que a bexiga está cheia), A bexiga estando cheia, retiramos a sonda (o objetivo é visualizar o trajeto natural, portanto não se deve deixar a sonda durante a micção) e após, instruímos o paciente para que o mesmo force para urinar. Quando o paciente estiver urinando, é realizado as incidências radiográfica (em média de três radiografias em AP*).

Pode-se incluir também caso seja necessário, radiografias nas posições oblíquas direito e esquerdo. Caso seja necessário é recomendado que se realize uma radiografia pós-miccição. Alguns pacientes, vão encontrar dificuldades de urinar deitados. Após algumas tentativas sem sucesso de micção, pode-se realizar o exame em ortostático, neste caso na estativa.

Obs. É muito importante NÃO cortar a uretra e mais importante ainda, é visualizar o contraste passando pela mesma durante a micção.

Veja agora como algumas imagens da Uretrocistografia Miccional.

Criança

Criança
Criança

Adulto

Adulto
Adulto

Refluxo

Refluxo
Refluxo

Síndrome de Williams

Síndrome de Williams
Síndrome de Williams

Bexiga Neurogênica

Bexiga Neurogênica
Bexiga Neurogênica

Sei que é difícil passar todo o procedimento deste exame em algumas linhas. Mas espero que tenham compreendido e que isso possa colaborar no dia a dia de vocês.

Fico por aqui e na próxima publicação abordaremos Histerossalpingografia.

Abraço a todos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo