Radiologia Industrial

Identificadores Radiológicos

Entenda tudo sobre identificadores Radiológicos

Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas atividades envolvendo o uso de radiações ionizantes. Conhecendo o material é possível definir a maneira adequada de manuseá-lo pois saberemos o tipo de radiação que ele emite, bem como sua forma física e química, seu tempo de meia vida (T1/2) entre as informações importantes.

A identificação destes materiais é feita através da análise e determinação do espectro de energia discreta que o material radioativo é capaz de emitir. Na grande maioria das vezes, este espectro de energia é obtida através da técnica de espectrometria de fótons podendo ser utilizados detectores semicondutores ou cintiladores inorgânicos.

Aqui analisaremos a utilização de detectores cintiladores para a realização da técnica de espectrometria de fótons.

O motivo desta escolha é em função destes detectores poderem trabalhar a temperatura ambiente, terem alta eficiência de detecção, uma resolução que propícia a identificação em instalações abertas e poderem ser construídos de forma compacta, portátil e transportável para uso em diversos ambientes.

Os identificadores radiológicos portáteis são largamente utilizados para diversos fins como:

  • Segurança radiológica em grandes eventos;
  • Busca de fontes radioativas extraviadas;
  • Avaliação:
    de emergências radiológicas;
    de emergências nucleares;
    cargas em portos, aeroportos e fronteira.

Propriedade dos Cintiladores Inorgânicos

A detecção de radiações ionizantes pela cintilação, produzida em determinados materiais, é uma das técnicas mais antigas registradas.

Detectores baseados nestes materiais possuem elevada eficiência de cintilação, conversão linear da quantidade de energia em luz, tempo de decaimento da luminescência curto para a geração rápida de pulsos, meio transparente e índice de refração próximo ao do vidro permitindo o acoplamento do cristal com o tubo fotomultiplicador (Knoll, 2000).

O mecanismo de cintilação em materiais inorgânicos depende dos estados de energia da rede cristalina do material. Num cristal cintilador puro, a energia da radiação incidente absorvida é cedida aos elétrons da banda de valência, sendo estes excitados para a banda de condução.

Entre essas bandas existe uma faixa intermediária de energia chamada de banda proibida, na qual não há estados possíveis e, portanto, não se encontram elétrons.

O retorno do elétron para a banda de valência com a emissão de um fóton representa um processo ineficiente de cintilação, pois as diferenças energéticas são tais que o fóton resultante possui uma energia muito alta e não se enquadra na faixa do visível.

Como resultado desse processo, o cristal apresenta-se opaco à sua radiação de cintilação (Lima, 2006).

radiologia industrial identificadores
radiologia industrial identificadores

A adição de pequenas quantidades de impurezas ou material ativador (no caso do NaI é usado o Tálio) cria níveis de energia na banda proibida. Criados pelo elemento ativador na banda proibida, eles permitem a desexcitação de um elétron da banda de condução para a banda de valência, com a emissão de fótons com comprimento de onda (410 mm), o que corresponde à luz do espectro visível.

O cristal é basicamente transparente para esses fótons, que assim alcançam o foto cátodo do tubo fotomultiplicador, que possui boa sensibilidade à cintilação dessa luz visível (Lima, 2006).

Resolução em Energia

Relaciona-se com a capacidade do detector de cintilação em discriminar a energia de dois fótons emitidos com energias diferentes em seu volume útil.

A resolução de um detector é determinante em sua capacidade de medir a distribuição de energia da radiação incidente e é convencionalmente definida como a razão entre a largura à meia altura do pico (FWHM) e o valor do canal central da distribuição do pico (H0)
A Figura abaixo apresenta esquematicamente a determinação da resolução em energia de um fotopico.

Radiologia Industrial
Radiologia Industrial

A resolução em energia típica de detectores cintiladores inorgânicos cilíndricos de NaI(Tl) para a energia do fóton gama emitido por uma fonte de 137Cs (661,62 keV) é cerca de 6 a 7%.

Eficiência de Detecção

Caracteriza a capacidade do detector em registrar os fótons emitidos por uma fonte de radiação ou que incidem na superfície de um detector.

O tamanho e a forma do cristal influenciam a eficiência de detecção, sendo que a espessura do cristal cintilador na direção da trajetória do fóton incidente tem maior influência. A eficiência de um detector pode ser classificada como absoluta e intrínseca.

A eficiência absoluta é dada pela razão entre o número de partículas ou fótons detectados e o número de partículas ou fótons emitidos pela fonte de radiação. Esta eficiência sofre influência da geometria de medição utilizada.

A eficiência intrínseca é dada pela razão entre o número de partículas ou fótons detectados e o número de partículas ou fótons incidentes no detector. Diferente da eficiência absoluta, não sofre influência da geometria de medição utilizada, mas da dimensão da face do detector em que a radiação incide.

Detectores Cintiladores de NaI(Tl)

Em 1948, Robert Hofstadter demonstrou que o cristal de iodeto de sódio (NaI), com tálio (Tl) como elemento ativador, produz emissão de luz de cintilação excepcionalmente intensa em comparação com os materiais orgânicos que já haviam sido estudados.

Mais do que qualquer outro evento, tal descoberta inaugurou a era moderna da espectrometria por cintilação da radiação eletromagnética ionizante com energia discreta, sendo este cristal de cintilação ainda hoje frequentemente usado em espectrometria de fótons, apesar de décadas de pesquisas subsequentes com outros materiais de cintilação. (Knoll, 2000)

O número atômico relativamente alto do iodo (Z=53) e a massa específica do cristal (3,667 g/cm3) influenciam de forma significativa o efeito de absorção fotoelétrica, necessário para a máxima deposição de energia da radiação incidente, dando a este cristal boa eficiência de cintilação.

A resposta em intensidade luminosa do cristal de NaI(Tl) é razoavelmente linear com a energia do elétron depositado, havendo uma pequena não proporcionalidade na faixa de 10 – 100 keV. Esta proporcionalidade permite relacionar a energia absorvida pelo cristal com a amplitude do sinal de corrente obtido com o detector, que por sua vez, está relacionado com a energia do fóton incidente.

O cristal de NaI(Tl) é higroscópico devendo ser mantido hermeticamente fechado revestido por material refletor, exceto na superfície do fotocatodo do tubo fotomultiplicador, reduzindo assim as perdas por reflexão e absorção nas superfícies laterais do cristal. Suas dimensões e forma influenciam na eficiência de cintilação para a função resposta do detector.

Nos detectores cintiladores de NaI(Tl), a cintilação produzida pela passagem de radiação ionizante precisa ser convertida em sinais elétricos para que se possa medir a energia depositada. Para tal, há a necessidade da presença do tubo fotomultiplicador.

A estrutura básica de um tubo fotomultiplicador é apresentada na figura abaixo.

Radiologia industrial - Identificadores
Radiologia industrial – Identificadores

Espectrometria de Fótons com Cintilador

Os fótons não possuem carga ou massa sendo, portanto, radiação indiretamente ionizante e capaz de transferir toda ou parte de sua energia para os elétrons orbitais dos átomos do material. Esses elétrons têm energia máxima igual à energia do fóton incidente subtraída da sua energia de ligação e que depositarão essa energia por meio de ionizações e excitações no meio de interação.

Para que um material possa ser utilizado como detector e servir para a realização de espectrometria de energia para fótons, ele deve ser capaz de realizar a transferência de energia desses fótons para elétrons orbitais dos átomos da estrutura e funcionar como elemento de detecção dos elétrons secundários produzidos pelos fótons incidentes por meio da coleta dos elétrons liberados na ionização dos átomos do meio.

Resposta de detectores para as energias dos fótons incidentes

O espectro de energia de fótons de radiação gama ou raios X irá depender do tamanho, da forma, da composição do detector e também da geometria de irradiação. Para espectros de fótons com baixa energia, a função resposta do detector será influenciada pelo espalhamento Compton (componente contínuo) e pela interação por efeito fotoelétrico (componente discreto).

A função resposta do detector para o espectro de energia dos fótons incidentes, também pode ser afetada, tanto em seu componente contínuo quanto no componente discreto da função resposta do espectro de energia dos fótons incidentes em virtude dos seguintes mecanismos (Lima, 2006):

  • Formação de pico escape por elétrons secundários;
  • Ocorrência de bremnstrahlung;
  • Presença de raios X característicos e
  • Interações secundárias criadas por decaimento radioativo, como a influência dos materiais envoltórios.

A Figura abaixo apresenta o espectro decorrente de fótons com uma única energia esperado para um detector real onde os processos de interação citados acima estão representados.

radiologia industrial
radiologia industrial

Os detectores para serem usados em espectrometria são normalmente envolvidos por outro material, seja o material de seu encapsulamento, blindagem para redução de radiação de fundo (background) ou uso de colimadores na geometria de medição. Estes materiais podem ser fontes potenciais de radiação secundária e, se esta interagir com o detector, pode influenciar na forma da sua função resposta do espectro (Lima, 2006).

Outras Tecnologias de Cintiladores

Cintiladores com melhor resolução, como o brometo de lantânio, possuem FWHM menores resultando em fotopicos mais estreitos e, desta forma, possibilitam a descriminação de um maior número de energias e consequentemente uma melhor identificação de materiais radioativos.

Os cintiladores de brometo de lantânio (LaBr3:Ce) possuem uma resolução em energia significativamente melhor se comparado aos cintiladores de NaI(Tl).

A resolução alcançada pelo cintilador de LaBr3:Ce para o fotopico da radiação gama emitida por uma fonte de 137Cs é de 2,7%, muito melhor que em um NaI(Tl) que possui uma resolução típica de 7% para esta energia.

Também em energias mais baixas e compatíveis com a faixa utilizada em radiologia diagnóstica como as dos fotopicos gama de 122,1 keV e 136,4 keV emitidos por uma fonte de 57Co há ganhos expressivos. A resolução do cintilador de LaBr3:Ce para o fotopico do gama de 122,1 keV é de 5,7%.

A resolução dos cintiladores de NaI(Tl) não permite dissociar, no espectro obtido, os fotopicos das energias de 122,1 e 136,4 keV emitidos pela fonte de 57Co, eles são representados como um único fotopico (Fiorini, 2006).

Até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo